JURA EM PROSA E VERSO

 

Trabalhos Maçônicos

 

JOÃO, O EVANGELISTA E A MAÇONARIA - UM RELATO DESCOMPLICADO

Pedro Juk

 

27 de dezembro – Dia de João, o Evangelista – Solstício de Inverno no Hemisfério Norte.

https://4.bp.blogspot.com/-MxaNEQKQFAY/WkOec7wWSBI/AAAAAAAACsg/fcxzig1RwWEbBW5PF-yT1o_oEPaAlKD7gCLcBGAs/s200/BATISTA%2BE%2BEVANGELISTA.jpg

Não obstante a complexidade dessa exegese vale a pena mencionar a relação dessa data com os cultos solares da antiguidade. Sua importância é tal que veio inclusive influenciar, dentre outros, a fixação pela Igreja da data do nascimento de Jesus na a noite de 24 para 25 de dezembro (vide o Imperador Constantino e o Cristianismo).

Como data solsticial no setentrião a época simboliza no mitraísmo persa a volta do Sol (INRI - Igne Natura Renovatur Integra – o Fogo Renova a Natureza Inteira). Representa o Nascimento do Sol Triunfante, ou Invicto (Natalis Invicti Solis) no mitraísmo romano.

Por ocasião dessa longa e fria noite de inverno no Norte, os homens tinham por hábito acender fogueiras fazendo oferendas e preces evocando a volta da do Sol que, pelo ponto de vista da posição geográfica boreal, parecia ter se deslocado até o Meio-Dia (Sul).

https://4.bp.blogspot.com/-oVpzvBt4XQI/WkOe-b5uDGI/AAAAAAAACss/IAui_FOBpeYw9mlogmJDIfGnDsBaZegoACLcBGAs/s200/ROSA%252BC%2B-%2B6.jpg

Valendo-se dessa alegoria solar a Igreja acabou fixando a data do Natal (nascimento de Jesus como a Luz do Mundo) em 25 de dezembro, época em que aparentemente o Sol em sua eclíptica começa - a partir de Capricórnio ao Sul - novamente o seu retorno para o Norte.

Essa alegoria solar acabou dando a João, o Baptista o rótulo de ter sido aquele que anunciou a vinda da Luz do Mundo, já que o nascimento do Batista, o Anunciador da Luz, se deu a 24 de junho em pleno solstício de verão no hemisfério Norte - o Sol alinhado com a constelação de Câncer.

Assim também se daria cooptação com João, o Evangelista para a data comemorativa de 27 de dezembro, cujo período praticamente está conexo ao Natal e ao solstício de inverno no hemisfério Norte que se dá em 21 de dezembro – o Sol alinhado com a constelação de Capricórnio. O Evangelista seria rotulado como aquele que pregou a Luz (a doutrina de Cristo) – nesse caso a Luz é a Esperança, a Boa Nova, é a volta da Luz para o Mundo.

Essas duas datas solsticiais (junho e dezembro) também são, sob o ponto de vista histórico e doutrinário, muito caras à Francomaçonaria que no seu berço de nascimento sofreu incontestável influência da Igreja Católica da época (séculos XII e XIII).

Nesse sentido os períodos solsticiais acabariam se concretizando como datas comemorativas na Ordem tendo sido os dois santos padroeiros adotados também pela Moderna Maçonaria.

https://2.bp.blogspot.com/-mVuTQICfSDk/WkOet2UE6JI/AAAAAAAACsk/4Nj6tUuFYRkRrBt8ep3E2A1B77lXLmjMACLcBGAs/s200/CIRCULO%2BPARALELAS%2BS%25C3%2583O%2BJO%25C3%2583O.jpg

Por assim ser, João - o Baptista e João - o Evangelista acabariam consagrados na Sublime Instituição como personagens padroeiros, titulando inclusive as Lojas de São João, já que os solstícios de Verão e Inverno concretizavam os dois principais ciclos profissionais dos Canteiros do passado, ancestrais da Maçonaria Moderna.

  

 

Dezembro de 2017

 

  

PEDRO JUK

http://pedro-juk.blogspot.com.br

jukirm@hotmail.com